Ergonomia – Parte 1

A Ergonomia é a ciência que se preocupa com a relação homem-trabalho e respectivos problemas relativos à saúde e segurança no trabalho. Ao mesmo tempo, a publicidade de produtos “ergonomicamente corretos” tem invadido o mercado. Assim, impõe-se saber distinguir o “joio do trigo” e, sobretudo, quando e onde é necessária uma ação ergonômica e quem a pode levar a efeito. Há, pois, que desmistificar a ergonomia e dá-la a conhecer, sobretudo, àqueles que são responsáveis pela concepção de sistemas (de trabalho ou utilitários) ou pela organização do trabalho.

Em termos gerais, pode-se dizer que a ergonomia visa a adaptação das tarefas ao homem. Quer se trate de um produto para consumo público ou de um posto de trabalho, a ergonomia oferece vantagens econômicas através da melhoria do bem-estar, da redução de custos e da melhoria da qualidade e produtividade. Assim, a concepção de qualquer produto ou sistema deve integrar critérios ergonômicos desde a fase de projeto, de forma a assegurar a sua eficiência.

Os ergonomistas, ao projetarem equipamentos, produtos, estações de trabalho e sistemas, objetivam maximizar o conforto, a satisfação e o bem-estar, garantir a segurança e minimizar os custos humanos do trabalho e a carga física, psíquica e cognitiva do operador.

Resulta, conseqüentemente, um segundo objetivo, que é permitir ao homem utilizar da melhor maneira e por mais tempo possível suas experiências, habilidades e potencialidades.

A ergonomia visa adaptar o trabalho ao homem, com relação ao ambiente físico em que este se desenvolve. Seu foco é, portanto, antropocêntrico. Sua ação pode ter igualmente efeitos econômicos – aumentando a qualidade da produção, o rendimento do trabalho, a produtividade do sistema – mas uma ação que vise apenas objetivos econômicos é uma ação de organização e não uma ação ergonômica.

Assim, cumpre-se fazer esta distinção:

  • Por um lado, porque os conhecimentos e técnicas colocados em prática na empresa não permitem, por si só, distinguir aquilo que pertence à Ergonomia, daquilo que faz parte da organização do trabalho e mesmo da engenharia;
  • Por outro lado, para recordar que a vocação da Ergonomia é de estar, primacialmente, a serviço do homem no trabalho.

Em termo etimológico, a palavra ergonomia deriva do grego ergon (trabalho) e nomos (normas, regras, leis).

E, como definição oficial, pode-se apresentar a da Associação Internacional de Ergonomia (IEA) adotada em agosto de 2000:

“A Ergonomia (ou Fatores Humanos) é uma disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem estar humano e o desempenho global do sistema.”

A ergonomia é, assim, definida como uma ciência aplicada, na medida em que o seu objetivo – a atividade humana, quer seja profissional ou utilitária – nunca está desligado do contexto em que se insere nem dos objetivos em vista. Estes, prendem-se geralmente com a eficácia das ações, não perdem de vista a segurança e o conforto dos atores, podendo afirmar-se que este triângulo formaliza os objetivos da ação ergonômica, ou seja, a otimização das interações homem-sistema. Para alcançar este objetivo geral, a Ergonomia preconiza dois tipos de abordagem:

  • Uma ação sobre os sistemas, processos ou produtos, no sentido de torná-los adequados às características do homem e ao seu modo de funcionamento, eliminando todos os fatores de constrangimento, risco ou nocividade;
  • Uma ação sobre o homem através da formação, no sentido de torná-lo apto para a realização das tarefas que lhe são atribuídas e de prepará-lo para as transformações do trabalho decorrentes da evolução
    tecnológica (CASTRO, 2002, p. 43).

Trata-se, assim, de estudos referentes ao conforto, utilização, organização e documentação do software objetivando facilitar e aperfeiçoar o trabalho do usuário junto ao computador.

Desta maneira, os ergonomistas contribuem para o planejamento, projeto e a avaliação de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas de modo a torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas.

Portanto, a Ergonomia é uma área orientada para uma abordagem sistêmica de todos os aspectos da atividade humana. Para dar conta da amplitude dessa dimensão e poder intervir nas atividades do trabalho, faz necessário que os ergonomistas adotem uma abordagem holística de todo o campo de ação da área, tanto em seus aspectos físicos e cognitivos, como sociais, organizacionais, ambientais etc. Freqüentemente esses profissionais intervêm em setores particulares da economia ou em domínios de aplicação específicos. Esses últimos caracterizam-se por sua constante mutação, com a criação de novos domínios de aplicação ou do aperfeiçoamento de outros mais antigos.

[Conteúdo pertencente ao Material do curso de Interação Humano-Computador]

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Email
Print