Ergonomia – Parte 2

De acordo com a IEA, os domínios de especialização da ergonomia são:

  • Ergonomia física: está relacionada às características da anatomia humana, antropometria, fisiologia e biomecânica em sua relação à atividade física. Os tópicos relevantes incluem o estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios músculos-esqueléticos relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurança e saúde;
  • Ergonomia cognitiva: refere-se aos processos mentais, tais como percepção, memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. Os tópicos relevantes incluem o estudo da carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem computador, stress e treinamento conforme esses se relacionem a projetos envolvendo seres humanos e sistemas;
  • Ergonomia organizacional: concerne à otimização dos sistemas sócio-técnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e de processos. Os tópicos relevantes incluem comunicações, gerenciamento de recursos de tripulações (CRM – domínio aeronáutico), projeto de trabalho, organização temporal do trabalho, trabalho em grupo, projeto participativo, novos paradigmas do trabalho, trabalho cooperativo, cultura organizacional, organizações em rede, tele-trabalho e gestão da qualidade.

Porém, projetar objetos que melhor se adeqüem ao formato do corpo humano e a corrigir a postura dos usuários são uma das aplicações mais comuns da Ergonomia. Exemplos comuns incluem cadeiras projetadas para evitar que os usuários sentem em posições que tenham um efeito nocivo na coluna vertebral e a escrivaninha ergonômica que oferece uma gaveta ajustável para o teclado, uma tampa principal com altura ajustável e outros elementos que podem ser modificados pelo usuário.

Ergonomia é assim muito mais ampla do que olhar o lado psicológico e anatômico do ser humano, apesar da psicologia dos seres humanos ser, também, um elemento chave nesta ciência.

Esta porção psicológica da ergonomia é usualmente referida como Fatores Humanos ou Engenharia de Fatores Humanos nos Estados Unidos da América, enquanto Ergonomia cognitiva é o termo usado na Europa. O entendimento do projeto em termos de carga de trabalho mental, erro humano, a maneira como seres humanos percebem o ambiente que os cerca e, muito importante, as tarefas que eles executam, são todos analisados pelos ergonomistas.

Segundo Schneider (s.d.), a ergonomia cognitiva, de interfaces e de concepção possui grande importância no desenvolvimento de softwares para melhor se adequarem às necessidades do usuário. Uma vez que se levam em consideração diversos aspectos sobre a capacidade de adaptação do software e o modelo mental construído pelo usuário, faz-se necessário o emprego de uma equipe transdisciplinar.

Schneider (s.d.) assevera que no estudo da capacidade ergonômica de um software, deve-se observar quatro princípios básicos:

  • Visibilidade: Indica que as ações pretendidas correspondem às realizadas. Ou seja, refere-se à escolha das informações que devem ser visíveis ao usuário e organização da mesma, de forma a facilitar a compreensão. Assim, apenas as coisas necessárias têm que estar visíveis. A falta de visibilidade pode levar um software ao fracasso, pois a falta da mesma torna os softwares difíceis de serem operados, causando desinteresse aos usuários;
  • Affordance: Indica que as ações percebidas são na realidade as propriedades reais dos objetos. Ou seja, refere-se à capacidade de o usuário compreender o funcionamento de um componente do sistema pela forma como o mesmo se apresenta, sem necessidade de explicações. Bom affordance faz com que os softwares tenham uma interface mais enxuta, pois as informações relativas às explicações sobre determinados objetos não são necessários, pois eles já são auto-explicativos;
  • Mapeamento: Indica o relacionamento entre as entidades e seus movimentos e resultados. Logo, um objeto é fácil de ser usado quando existe um conjunto visível de ações possíveis e os controles exploram mapeamentos naturais;
  • Feedback: Fornece ao usuário, no dispositivo de saída, informações sobre o estado das ações por ele executadas. Ou seja, a resposta é retornada pelo sistema ao usuário devido a uma ação executada. Assim, a falta de feedback pode confundir o usuário.

Para Borges (s.d.), algumas regras devem ser seguidas para a boa manutenção da ergonomia de um sistema:

  • Esforço Mínimo do Usuário: visa reduzir o número de ações a serem desempenhadas pelo usuário, sendo delegadas tais atividades ao sistema, evitando falhas;
  • Memória Mínima do Usuário: busca uma curva de aprendizado acelerado, de forma que o uso do software possa ser aprendido facilmente e com o mínimo de informações a serem memorizadas;
  • Frustração Mínima: o sistema deve facilitar a execução das tarefas do usuário, removendo possíveis empecilhos e oferecendo a informação necessária para que toda ação seja bem sucedida;
  • Maximizar o uso de padrões e hábitos: busca facilitar o aprendizado, reduzir a quantidade de informações a serem memorizadas e minimizar o esforço do usuário;
  • Máxima tolerância para diferenças humanas: o sistema deve adequar-se aos diferentes perfis de usuários;
  • Máxima tolerância para mudanças ambientais: o sistema deve suportar mudanças do ambiente de hardware/software com um mínimo de esforço do usuário;
  • Notificação imediata de problemas: capacidade do sistema de notificar o usuário sobre problemas atuais ou futuros de forma clara e coerente;
  • Controle máximo de tarefas pelo usuário: sempre que possível, o usuário deve ter total controle sobre a seqüência de execução das tarefas;
  • Apoio máximo às tarefas: o sistema deve ser auto-suficiente quanto à capacidade de oferecer as informações necessárias para a conclusão de uma tarefa.

[Conteúdo pertencente ao Material do curso de Interação Humano-Computador]

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS
 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Email
Print